Como entender o outro a partir de si mesmo

Como entender o outro a partir de si mesmo


Querido amigo, querida amiga,

A velocidade do mundo está tão frenética que o ato da empatia vem sendo cada vez mais banalizado.

É fato que as pessoas nunca entenderão a dor do outro, os níveis de estresse pelos quais o outro está passando, como o organismo do outro reage… Isso nunca será entendido, pois cada ser humano é único no teatro da existência.

Mas a verdade é que, mesmo que minimamente, não sabemos mais nos colocar no lugar do outro, e quando achamos que sabemos, o fazemos de maneira errada. Reflita…

Quando você está passando por algum problema de estresse, está sofrendo por antecipação, ou está ruminando perdas, e chega alguém para você e diz: “Eu já passei por isso e sei o que você está passando…”

Por melhor que seja a intenção, e mesmo que, realmente, tenha passado por fatos semelhantes, essa pessoa nunca saberá pelo que você está passando.

Sabe por quê?

Pelo simples fato de que o jeito que você assimila as coisas é diferente do dela, por mais idênticas que sejam as situações.

Cada pessoa tem a sua história de vida, cada pessoa construiu sua personalidade em cima das dores e vitórias em que viveu, e não há como nos colocarmos totalmente no lugar do outro com esse pensamento rápido e prático de “já passei por isso, sei como ajudar”, ou “tive a mesma experiência e é assim mesmo”. Definitivamente, não dá.

Mas, então, como ajudar? Como ter a verdadeira empatia?

Primeiramente, nunca podemos imaginar a dor que o outro está sentindo, nos baseando em nossas próprias dores.

Fazer críticas construtivas é pior ainda, pois é um gasto de energia tremendo que não ajudará em nada.

A energia não pode ser gasta, ela tem que ser investida, e esse investimento é gerado pela ação! Pela ajuda em si! Pela atitude de ajudar.

Mas como?

Dando um passo para trás, gerindo suas emoções e falando pra você mesmo: “Calma, deixa eu entender os sentimentos dele (ou dela) e buscar a melhor maneira para ajudá-lo (ou ajudá-la)”.

Isso é ter empatia.

Colocar-se no lugar do outro de maneira correta é entender o sentimento do outro através de si mesmo.

E não simplesmente achar que, porque você já passou por isso, você pode chegar falando o que a pessoa deve fazer através de seus achismos.

Num mundo em que as pessoas nem se olham mais para dar um simples “bom dia”, como teremos profundidade para a verdadeira empatia? Se somos superficiais com nós mesmos, como iremos verdadeiramente olhar pelo outro?

A sociedade atual parece estar se robotizando, e isso, cada vez mais, vem gerando pessoas mentalmente desestruturadas e emocionalmente desequilibradas.

É de extrema urgência que o ser humano trate suas emoções, saiba gerenciá-las e assuma o controle de sua vida, olhe para si mesmo e, a partir disso, construa ambientes melhores, emocionalmente saudáveis e consequentemente pacíficos, pois nossa paz e a paz do outro devem valer ouro.

Pense nisso…

Se você quer saber mais sobre como gerir as suas emoções, como trabalhar a empatia, como enfrentar as suas perdas e frustrações, como tratar o descontrole emocional que vem estraçalhando relacionamentos familiares, faça a sua Inscrição para o “Workshop de Gestão da Emoção com o Dr. Augusto Cury”e aproveite uma semana inteira de ferramentas de gestão da emoção para ter uma vida mais leve e feliz.

[Clique aqui para se inscrever gratuitamente]

Um forte abraço!