Famílias emocionalmente desconectadas

Famílias emocionalmente desconectadas

É urgente tratarmos a educação emocional, a mente humana, como prioridade absoluta desde o início da construção do pensamento do indivíduo.

Senão, infelizmente as tragédias irão acontecer com mais frequência!

Precisamos entender o tamanho do problema social que vivemos!

Dois jovens, um de 17 anos e outro de 25 anos, entraram na escola com na qual eles estudaram e dispararam tiros contra seus colegas.

Houve vários feridos e dentre estes, pelo menos oito morreram.

Em seguida, os dois jovens atiradores cometeram suicídio.

Essa não foi a primeira vez que isso aconteceu no país.

Isso é um sinal de alerta!

Famílias adoecidas, emocionalmente desconectadas geram crianças vulneráveis e futuros sociopatas, psicopatas ou pessoas psicologicamente desestruturadas.

E a criança é sempre o sintoma!

O sintoma que explode nela, por ser o mais frágil, considerando que está em desenvolvimento, precisa ser conduzida para prosperar, mas certas estruturas parentais são tão tóxicas, que esse princípio se esvai com facilidade.

Sabe aquele brinquedo caro e que toda criança quer ter?

Esqueça-o! Invista em sua saúde emocional e na saúde psíquica de seus filhos e de sua família.

A desconexão emocional com seus filhos os leva ao isolamento e é aí que mora o perigo.

Os pais, por estarem tão ocupados com suas tarefas intermináveis, não se dão conta disso, de que seus filhos estão adoecendo mentalmente e buscando ajuda em lugares cada vez mais obscuros.

A internet possui um mar de informações e em meio a esse oceano, existem variedades de opções, inclusive, as que asfixiam, sufocam e até mesmo assassinam a mente humana.

Desconfie do isolamento de seu filho ou filha.

Veja ...

Infelizmente, cedo ou tarde, mais de 1 bilhão de pessoas desenvolverão o último estágio da dor humana, a depressão e uma a cada duas pessoas desenvolverá um transtorno psiquiátrico.

Vamos observar passivamente nossos filhos serem vítimas do sistema social que criamos?

Busque o contato, é preciso ter serenidade para se esvaziar e sensibilidade para aprender.

Só a proximidade nos faz perceber e entender as necessidades e conflitos do outro.

E justamente na construção da intimidade é que erramos. Laços familiares se limitam a ser parentescos, o que não quer dizer absolutamente nada.

O que nos vincula não é a obrigação, mas o amor!

Pense nisso!