Quebrando o Ciclo do Automático

Quebrando o Ciclo do Automático

Olá querido amigo e querida amiga,

Quantos de nós não estamos vivendo num ciclo que parece não ter fim?

Quantos de nós nos condicionamos a fazer o que deve ser feito de maneira automática?

Quando temos a sensação de que as coisas estão para mudar, parece que as coisas não acontecem, e que nadamos parados o tempo todo.

Já sentiu isso em sua vida?

São muitas questões que nos levam a traduzir tais atos como se fossem ciclos fechados, como se tivéssemos dando voltas num mesmo lugar o tempo todo.

A natureza humana tem como ponto forte, justamente, o ciclo fechado.

Quando algo é determinado e a rotina aparece, é questão de tempo para aquilo se tornar automático e nos deixar presos num sistema criado pela vontade de procrastinação da nossa mente.

Nossa mente luta para nos sabotar todos os dias, e posso dizer aqui com convicção: são raras as pessoas que percebem isso, e quando percebem, dão saltos imensos em suas vidas.

Veja só...

A coisa mais normal do mundo, num supermercado, por exemplo, é uma pessoa ver uma fila enorme e entrar nela, sem ao menos olhar para o lado para ver se tem algum caixa livre.

O ciclo fechado da vida automática deve ser quebrado para o bem de nossa sociedade, o bem de nossas famílias, para o bem da saúde mental das pessoas, pois não somos robôs, embora estejamos agindo como tais.

Sair do automático não implica em simplesmente desejar sair dele, ou seja, você diz “eu desejo quebrar este ciclo” e pronto, como um passe de mágica ele se rompe; é isso que a nossa mente nos vende, mas isso não funciona.

Se você desejar, em princípio, até pode dar os primeiros passos, mas, quando você menos esperar, você vai estar no automático novamente.

Para que a mudança de hábito e os ciclos sejam rompidos, e tudo isso seja efetivamente realizado, você precisa transformar isso em um projeto de vida!

Se você planeja todos os dias ir mudando os seus hábitos, se policia em cada situação, gerencia as suas emoções nos momentos de tensão, pode ter certeza que isso vai acontecer! Mesmo que seja 1% de mudança, ela será concreta.

E o mais interessante é que tudo e todos ao seu redor também vão mudando, justamente porque você está mudando. Tudo fica mais claro!

Aquele ciclo fechado já não fica mais fechado, você simplesmente começa a enxergar as coisas e passa a buscar assumir o controle sobre sua vida.

Passa a sentir as suas emoções de fato, consegue traduzi-las para si mesmo e passa a perceber que todo aquele tempo no automático fez você agir impulsivamente com as pessoas que você mais ama, tomar atitudes dignas de arrependimentos, ver que é preciso perdoar, lhe mostrou que é preciso se colocar no lugar do outro, ensinou você a ser resiliente.

E com a maturidade emocional, você vai atrás de cada ponto para resolvê-los da melhor forma possível, tornando assim a sua vida cada vez mais leve e plena.

O que eu mais desejo é que todas as pessoas acordem de manhã e, ainda em suas camas, olhem para o dia, mesmo que seja aquele dia escuro, nublado, chuvoso, e agradeçam por estarem ali, tendo mais uma oportunidade para serem melhores; primeiramente, para si mesmos, e depois, para os seus próximos.

E por que primeiro para si mesmos?

Por que para entendermos o próximo a partir de nós mesmos, precisamos estar emocionalmente saudáveis e fora do ciclo do automático, sem as vendas nos olhos que geram a ignorância emocional.

Então pare de dar importância àquilo que é irrelevante em sua vida e passe a observar o que é essencial, sem somente desejá-lo, mas tendo-o como um projeto de vida!

Pense nisso!

Um forte abraço e boa semana!