Seja líder de si mesmo

Seja líder de si mesmo


Querido amigo, querida amiga,

Se tivéssemos um poder de escolher a emoção certa para cada atitude e decisão que tomamos, será que faríamos a escolha certa?

Temos um vasto campo a ser explorado na mente humana, mas pouco se fala daquele que deveria assumir essa grande aeronave.

Na maioria das vezes somos levados por nossas emoções.

Veja...

A produtora de desenhos mundialmente conhecida “Pixar” lançou um longa fabuloso, muito interessante, chamado “Divertidamente”. Você o assistiu?

Bem, no filme, as emoções (e apenas cinco são destacadas, as “emoções primárias”: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo e Nojo) assumem, cada uma em sua vez, ou todas se digladiando, o comando dos comportamentos de Riley, uma garotinha que está entre a infância e a juventude. As memórias (em formato de esferas) vão se juntando e formando a estrutura da mente, sua personalidade.

Na história, foi concedido às emoções poder absoluto de decisão e atuação. Elas ponderam as circunstâncias, analisam as consequências, se apoiam, e comandam os comportamentos. Porém, sem que o Eu (o piloto da aeronave) da menina Riley manifeste qualquer reação de comando. Elas se autogovernam, se autogerenciam, mesmo sob foco de tensão.

Nesta abordagem, apesar de ser necessário destacar o trabalho valioso que prestaram à Tristeza, ao apresentá-la – também – como algo positivo na construção de quem somos, escorregaram, no tratamento que deram à Alegria.

Esta emoção surge como a mais “sábia”, a “líder” natural, a “responsável” por dar o tom de equilíbrio às demais, ou seja, indiretamente somos convidados a concluir que é a Alegria que equaciona, que equilibra as nossas mazelas existenciais.

E esta é uma abordagem perigosíssima para se passar às crianças, ou até mesmo aos adultos, pelo simples motivo de que ninguém vive alegre 24 horas por dia. Concorda?

Outra coisa: se a alegria lidera e equaciona ou estabiliza todas as outras emoções, será que efetivamente nós estamos sempre à deriva do poder e da atuação das emoções? Será que são as emoções que “lideram” quem somos!?

É normal que a grande maioria das pessoas se identifique com este excelente desenho.

Por que é normal?

Porque as pessoas estão deixando suas emoções tomarem conta de suas vidas, e pouco se fala naquele que realmente deveria tomar a frente e mudar o rumo da história.

O Eu,o pilotode sua mente.

A importância de tomarmos consciência sobre nosso Eu, de conhecermos os bastidores da nossa mente, e o quanto podemos assumir as rédeas sobre nossos pensamentos e emoções para traçar novos caminhos é que nos tornará aptos a construirmos os mais nobres capítulos de nossa história.

Por isso, quero te convidar a participar do “Workshop de Gestão da Emoção com o Dr. Augusto Cury”, 100% gratuito e que já está no ar.

Porque nele, você conhecerá os bastidores de sua mente e, através de ferramentas de gestão da emoção, que irá aprender, você saberá como reeditar medos e traumas do passado, reduzir seu grau de ansiedade, aumentar sua autoestima e, com isso, será líder de si mesmo e conquistará uma vida mais leve e feliz.

[CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O SEGUNDO EPISÓDIO]

Um forte abraço!