Ser Introvertido Não É Algo Ruim — Entenda Essa Personalidade

Ser Introvertido Não É Algo Ruim — Entenda Essa Personalidade

Olá, meu querido amigo e minha querida amiga.

Você acha que ser introvertido só traz prejuízos? Na verdade, esse é apenas um tipo de personalidade, assim como ser extrovertido.

Porém, muitas pessoas não compreendem, especialmente pais de crianças e adolescentes. Nesses casos, elas pressionam os outros para que se soltem — o que pode não ser saudável. Vamos entender mais sobre isso?


Ser introvertido pode ser um traço da personalidade

Já falei aqui que as pessoas muito extrovertidas podem ser vistas com maus olhos, pois não têm vergonha e se destacam por onde passam. No entanto, os tímidos são ainda mais cobrados.

Quem não fala tanto, vive calado e pouco expressa o que pensa e sente costuma ser bastante cobrado — ainda mais se for criança ou adolescente. Os adultos tendem a enxergar que há algum problema nesses jovens, já que, para eles, não há motivo para "se esconder”.

O que muitos não veem é que a introspecção pode ser apenas uma característica da personalidade. Ser introvertido é semelhante a ser uma pessoa engraçada ou organizada, por exemplo.


Como identificar a introversão sadia

Embora a introversão seja um sinal natural da personalidade, ela também pode esconder inseguranças, sentimentos de culpa e traumas. A pessoa tímida pode não se sentir confortável em se expressar e, por isso, deixa de escrever a própria história como gostaria.

Para quem é responsável por uma criança ou convive com alguém assim, é importante observar os comportamentos para saber quando pode ajudar. Por exemplo: se a pessoa não se sente segura em determinado lugar, é possível que haja um motivo para isso.

Nessa situação, você deve ouvir mais do que falar, apoiar mais do que julgar e estender a mão se for preciso. Caso haja um trauma envolvido, as ferramentas de gestão da emoção podem ajudar, pois elas permitem ressignificar o que foi vivido.

Imagine que uma pessoa tenha o trauma de falar em público, por exemplo. Será que ela já se questionou por que é mais introspectiva nesses momentos? Por meio da técnica DCD (Duvidar, Criticar e Determinar), as causas podem ser reveladas e o indivíduo pode mudar a forma como encara determinadas situações.

A ressignificação consiste, portanto, em virar a chave para que o passado deixe de influenciar o presente e o futuro. Até porque, diferentemente do que muitos imaginam, o trauma pode não influenciar para sempre.

Quer saber mais sobre os tipos de personalidade e como a gestão da emoção pode ser útil para todas elas? Leia mais aqui no blog da Academia da Gestão da Emoção!